quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

DIY: Como cuidar SÓ da sua vida

   Fui tirar o carro da garagem e encostei na árvore do vizinho (perdoa aí, porque a carteira é recente e tô dirigindo pra valer agora). Veja bem: ENCOSTEI. Bati? Não. Amassou? Não. Por quê? PORQUE EU SÓ ENCOSTEI. O vizinho DO LADO, que não tinha nada a ver com a história, viu. Cheguei em casa à noite e o assunto era a minha batida monstruosa que quase derrubou a árvore alheia e sabe-se lá Deus como não amassou o carro. Levei uns gritos maravilhosos e só fiquei calada olhando pro chão. Não dei um piu. Detalhe: esse vizinho fofoqueiro não fala com ninguém da minha casa (só quando responde ao bom dia da trouxa aqui, vulgo, eu). Agora, já tiro o carro e coloco na garagem tranquila e prestando BEM atenção (com o vizinho na varanda olhando escondido, se achando o James Bond, mas que, na verdade, dá pra ver a cabeleira branca de longe escondida). Olho feio pra ele na hora de sair? Não. Dou um sorrisinho e o bom dia de sempre.

Por fora:



Por dentro:




Inspirado nessas pessoas encantadoras, resolvi fazer um post de como parar de se importar com a vida alheia.


Passo número 1: Guarde as fofocas pra você.



Até entendo que fofoca seja construtiva em algumas situações, quando usada na finalidade de ajudar (por exemplo, Luana fez merda, mas não é sua amiga. Carol, entretanto, é sua amiga e amiga de Luana. Você faz fofoca pra Carol ajudar Luana, já que não tem intimidade suficiente para fazê-la). Fora isso, você precisa mesmo falar da vida alheia? Será que a sua é tão ruim assim pra ser ignorada? Fica a questão aí no ar.


Passo número 2: Questione a si mesmo se criticar é necessário.



Um fato X aconteceu. Você faz fofoca de tal fato e ainda expõe seu ponto de vista. Entenda: além de expor sua opinião, a pessoa que está te ouvindo também vai criar o próprio ponto de vista e, assim, na hora de comentar o episódio com outra pessoa, acontecerá o mesmo. O problema é simples: quando se expõe a opinião, ela, normalmente, é generalizada. Como assim? Fulano fez algo que o intitula como egoísta, mas Fulano não é egoísta, só foi porque a situação o fez ser. Logo, aumenta-se as histórias. Entendeu?


Passo número 3 e o MAIS IMPORTANTE: Questione a si mesmo se isso muda algo na sua vida.



Muda? Tem certeza? Não? Então cala a boca. <SIMPLES>

domingo, 17 de janeiro de 2016

Seios: uma relação de amor e ódio

   



   Que esplêndido são teus seios!
   São tuas armas mais perigosas
   e primorosos como as rosas.
  
   Fazem de ti provocante,
   tendo atenção dos indiscretos
   roubando olhares sem esforço.
   Tens a confiança no teu rosto.

   São teus e de mais ninguém.
   São como o calafrio que percorre o espinho
   e macios como veludo também.

   Num dia tá de bem,
   no outro se incomoda. 
   Nas conversas alheias se afoga
   e finalmente se acorda.
   
   Moça, usa tua sedução,
   esquece a insegurança,
   e confia no coração.

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Praia




   Mergulhei-me na tua raiva,
   respirei teu medo,
   nadei nos teus lábios,
   e me afoguei logo cedo.

   Você banhou minha alma,
   destruiu as mágoas
   e só trouxe calma.
   
   Me abandonou na praia, 
   assim, sem avisar.
   Deixou de ser mar 
   e em outros oceanos
   não me ensinou a nadar.   

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Fim de ano




Bronzeou-se
cortou o cabelo
pintou a boca
cresceu as unhas
depilou a coxa
vestiu um sorriso
e amou-se.

Amou
foi amada
foi verdadeira
o tempo não deixou
teve tropeços
errou por medo.

Bebeu pra esquecer
riu na hora errada
arrependeu-se de beijar
duvidou das palavras
leu os olhares alheios
e dançou a noite toda.

Beijou os medos
brigou por egoísmo 
amou sozinha
fez promessas.
Não cumpriu.

Deu errado
deu certo
enraivou-se
respirou fundo
pensou.
Ano que vem, vai.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Querido




   Veja os movimentos que está fazendo.
   Carregando-me nos braços
   e fazendo-me flutuar sobre nossos sonhos.
   Por favor, deixe-me viajar nos teus traços.

   Eu sei que você disse para eu desligar a música,
   antes que chegasse no refrão.
   Eu não quero que você mude por mim, 
   então deixe-a tocar no coração.

   Querido...

   Esteja aqui, por favor.
   Continue nesse lugar.
   Disseram para eu desistir.
   Não, eu quero viajar
   (em você).

   


   

terça-feira, 1 de setembro de 2015

O que eu aprendi com um assalto

Direitos autorais aqui.
  


   Terça-feira (25), fui assaltada no bairro João XXIII, em Fortaleza. Às 5:30 da manhã, saí de casa em direção à parada de ônibus que fica cerca de dois quarteirões da minha casa. Logo no primeiro quarteirão, um moreno de regata vermelha, que aparentava ter 25 anos, parou rapidamente com uma moto ao meu lado. "Eu só quero o celular", ele disse com os olhos arregalados e com a voz calma. Gelei, paralisei, não consegui me mexer (eu realmente não consegui entender o que aconteceu comigo até hoje). Depois de alguns segundos (uns dos mais longos da minha vida), ele pediu minha bolsa, já puxando-a de mim. "Moço, deixa eu só pegar meu livro, tô indo pra faculdade", foi a única coisa que consegui falar, totalmente em vão. Ele dobrou numa rua sem saída, voltou, e dobrou na próxima. 
   Bolsa, caderno (com todas as anotações do ano), duas apostilas (você já deve saber que graduando é pobre e só tem xerox na bolsa), constituição, relógio, perfume, documentos (eu ia resolver uns problemas e precisava deles, eu só costumo andar com um documento com foto), carteirinha do plano de saúde (desde pequena fui orientada a sempre ter comigo), 50 reais (também 
destinados a xerox e encadernação de livros) foram levados de mim. Chorei, principalmente pelo caderno e pelos documentos (dava uma dor só de imaginar o tempo que eu teria que enfrentar para tirar segunda via).
   Liguei para minha mãe, ela veio até minha casa, foi comigo na delegacia mais próxima e fizemos um B.O. Fui no Vapt Vupt da Messejana e descobri que precisaria tirar a segunda via da minha certidão de nascimento (eu não sei você, mas não faço a mínima ideia de onde anda a minha).
   Fui para casa, totalmente magoada, agradeci minha mãe e deitei na cama. Quando entrei no meu facebook, uma luz no final do túnel surgiu: um desconhecido falou comigo informando o número pessoal e dizendo que havia encontrado minha CNH e título de eleitor. Liguei, agradeci, chorei (mais uma vez). Ele me deu o endereço do trabalho e fui lá com meu namorado.
   Quando chegamos lá, Alemão, um mecânico muito simpático, disse que mora perto do Dragão do Mar e passa por lá todo os dias às 6:50 para pegar ônibus e ir ao serviço. Na Praça Verde, encontrou meus documentos no chão e levou para a oficina, avisando aos colegas e perguntando o que fazer. Eles tiveram a ideia de me procurar no facebook e falaram comigo às 8 da manhã (eu estava na delegacia nesse horário). Eles ainda pensaram até em ligar para a Verdes Mares (filiada da Globo aqui em Fortaleza), porque eu não respondia (o que me fez chorar mais ainda, me desculpa). "Como eu encontrei teus documentos longe um do outro, te aconselharia ir lá e perguntar pros seguranças se encontraram alguma coisa", disse Alemão. Dito e feito: fui lá com meu namorado.
   "Moço, é que eu fui assaltada mais cedo e um rapaz encontrou meus documentos aqui perto, mas ainda falta outros, o senhor pode me informar se foi encontrado algum?", perguntei ao segurança. "Qual seu nome?", ele perguntou, me olhando. "Nathália", respondi. "...de Paula?", ele perguntou e não pude esconder o sorriso. Minha carteira e minha identidade estavam na administração do Dragão do Mar. Novamente, mais agradecimentos. 
   Plano de saúde, fica mais fácil tirar segunda vida. Apostila, a gente tira xerox de novo. Cinquenta reais vem em dobro mais tarde, se você batalhar por isso. Bolsa, a gente compra bem baratinho. Constituição tá ultrapassada e sendo vendida por vinte reais. Relógio, a gente compra outro (ai, que falta me faz esse...). Perfume, a gente substitui rapidinho (obrigada, mamãe!). Honestidade... Bem, a gente não encontra em qualquer esquina, viu? Uma chama acendeu dentro de mim trazendo esperança sobre a existência de pessoas boas no mundo. Meus vizinhos, batendo na minha porta ou onde quer que eu fosse, perguntando se eu estava bem com um abraço e um "qualquer coisa que precisar, me avise, ok?" foi mais um motivo.
   Hoje, eu levo comigo apenas uma xerox autenticada da identidade, fico ainda mais atenta com o que acontece ao meu redor e já tô procurando um relógio de dez reais (porque sem relógio não dá, sério).
   Eu não vou questionar o porquê de "Deus ter me abandonado", não vou dizer que a culpa é da Dilma, não vou cuspir palavras brutas sobre a atual política e não vou, muito menos, julgar o que "merece" ou não o moreno de camisa vermelha, até porque já aconteceu, né? O que eu ganharia com tudo isso? Tive sorte por não ter levado, no mínimo uns tapas, e agradeço até hoje por isso. A gente se preocupa tanto com coisas fúteis que esquece de ver o lado bom das coisas. Eu consegui ver o lado bom do meu assalto, mas e você? Fez algo parecido?



Essa é uma história real que aconteceu comigo no tempo e espaço mencionados.
Postar um relato sobre assalto com a opção "curtir" no facebook nunca me pareceu coerente, por isso decidi publicar aqui. 
Alemão é mecânico na oficina 6 Bocas. (Você pode encontrá-la aqui).

sábado, 25 de julho de 2015

Vizinha






   Esse ano, voltei a morar na mesma casa que cresci até os nove anos. Aqui, a rua (especificadamente com o nome travessa), abriga vizinhos que fazem parte da família por consideração há mais de quarenta anos. Relembrei da costureira grávida, que hoje tem um garoto de dez anos que vive caindo de bicicleta, e da bodega da esquina, que contratou um segurança que dorme em serviço na calçada. Assustei-me com as mudanças (dois shoppings e dezenas de restaurantes novos) e com a quantidade de gente que lembrou de mim, trazendo abraços fortes, sorrisos largos e sempre um "qualquer coisa que precisar, me avise, ok?".
   Todos os dias, eu acordo bem cedo e pego três ônibus para chegar à faculdade. Acostumei-me com as responsabilidades rapidamente e fui me adequando ao ambiente do meu jeito. 

   Em um desses dias que a rotina me abraçou, acordei com o barulho do despertador e fui ao banheiro. Meio zonza ainda, liguei o chuveiro e deixei a água percorrer por todo o meu corpo, banhando-me tranquilamente. Quando a poesia realmente fez folia em minha vida, você veio me falar dessa paixão inesperada por outra pessoa. Cantarolei na minha cabeça e quando desliguei o chuveiro, ouvi Caetano cantar pra mim. Mas não tem revolta não, eu só quero que você se encontre... Ué, eu não sabia que tinha essa música no celular. Peguei minha toalha e notei que tinha deixado o celular no quarto, não fazia ideia de onde essa música estava vindo. 
   Quando saí do banheiro, percorri por toda a casa e finalmente percebi que a música vinha do quintal e do outro lado do muro. Olhei o relógio: dez pras cinco. Eu não sabia que a dona Lordes acordava tão cedo. Arrumei-me, tomei café e fui para a parada de ônibus. 
   Na faculdade, no meio da aula de ciência política que dois alunos discutiam com o professor com opiniões egoístas, lembrei-me de um detalhe da dona Lordes: ela é surda. Uma viúva pequena de cabelos brancos e curtos e dona de uma simpatia inigualável, ela mora numa casa grande e com um papagaio. Todas as vezes que nos falávamos, tinha que gritar no seu ouvido e isso a fazia rir com o meu mau jeito com o tom das palavras. Ela deve ter deixado o rádio ligado e não percebeu.
   Assim que cheguei, vi dona Lordes saindo de casa com sua sacola reciclável e um chapéu florido que a protege do sol. Acelerei o passo e fui falar com ela:
   - Oi, dona Lordes, tudo bem com a senhora? - gritei a medida que me aproximava. 
   - Oi, Nathália! Tá tudo bem sim, tá chegando agora? - ela perguntou sorrindo. 
   - É, agora. A senhora tá indo fazer a feira? Posso acompanhá-la? Tá faltando umas frutas lá em casa, queria companhia. 
   - Ah, claro, vamos.
   Coloquei o braço dela no meu e adequei os meus passos aos dela, ouvindo-a falar que eu não precisava comprar goiaba, porque a goiabeira dela tava cheia.
   Fiz as compras, atentando-me aos conselhos dela do quanto é importante ter uma sacola reciclável para fazer a feira. 
   Quando estávamos voltando para casa, deixei-a terminar sobre o episódio de um quase assalto e perguntei:
   - Dona Lordes, hoje eu tava tomando banho e notei que o rádio da senhora estava ligado. A senhora já desligou?
   - O rádio te incomodou? - ela perguntou séria.
   - Não senhora - franzi a testa -, eu só pensei que tinha deixado o rádio ligado e não escutou.
   - Eu deixo ele ligado todos os dias - ela finalmente disse depois de alguns segundos -, mas ontem eu aumentei um pouco o volume.
   - E por quê?
   - Bom... - ela respirou fundo enquanto virávamos a esquina -, meu marido ficava horas no quintal com o rádio ligado cantando com o Louro e arrumando a goiabeira, sabe? Depois que ele foi ao hospital e não voltou, o Louro continuava cantando e deixei o rádio ligado para ele e para mim. 
   - Nossa, dona Lordes, desculpe, eu não sabia...
   - O que?
   - Eu disse que não sabia, peço perdão - falei mais alto.
   - Não se preocupe com isso. - ela disse rindo - Eu aumentei ontem, porque o Louro tá sentindo muito a falta dele esses dias e o rádio parece não tá dando mais conta. 
   Procurei a chave de casa no meu bolso enquanto ela entrava dentro de casa.
   - Às vezes, eu acho que ele ainda está lá no quintal. Na hora de dormir, quando vejo que o outro lado da cama tá vazio, é que me dou conta que ele não tá. Por isso que a goiabeira tá cheia.
   Olhei pro chão, não conseguia encará-la. 
   - Pois dona Lordes, qualquer coisa que precisar, me avise, ok? - fui mais sincera possível.
   Ela respondeu com um sorriso e fechou a porta.